Quem Somos | O que é? | Aparelhos | Artigos | Agenda | Testemunhos | Perguntas Frequentes | Links | Contato
Testemunhos
Camila Serafini
Brasilia / DF
Bom dia a todos,

Esclareço primeiramente que não sou implantada, mas gostaria de deixar meu depoimento, sobre minha experiência de vida como deficiente auditiva, em especial aos pais e mães - que mesmo não tendo essa vivência pessoal, tem filhos com lesões auditivas, com ou sem implante.

Tenho perda auditiva neurosensorial unilateral, ou seja, não escuto do lado direito. Entretanto, tal condição foi ignorada pela minha família e por mim até meus 18 anos, o que hoje considero, uma grande benção. Porquê? Por que em toda minha infância e juventude fui estimulada e tratada como uma criança normal, recebendo a mesma educação e tratamento de meus três irmãos. Pode parecer absurdo, mas o que quero dizer aos pais e mães é: não duvidem da capacidade de seus filhos e dos limites deles, porque eles podem ter os mesmos resultados que todos os demais.

Digo isso porque, por mais avessa que tenha sido minha situação, ela me rendeu bons frutos: jamais fui estigmatizada ou me apoiei em minha condição e com isso, usando dos recursos que a vida me ensinou sozinha (sentar do lado certo da sala de aula, virar para escutar o que me diziam, prestar mais atenção aos movimetos dos lábios das pessoas...tudo apreendido de forma natural e espontanea), hoje tenho uma vida absolutamente adaptada e feliz: sempre fui a melhor de minha classe, passei em primeiro lugar no vestibular, cursei uma faculdade excelente e fui aprovada com nota dez na prova da OAB...hoje sou advogada e com excelente condição profissional. Quando falo para as pessoas de minha lesão, revelo que não escuto de um dos lados, sua primeira reação é duvidar e depois, elas simplesmente esquecem , porque não carrego isso como uma marca ou um diferencial.

Espero que meu depoimento ajude pais e mães a alçar seus filhos que são normais à sua natural condição de normalidade. Usem sim todos os tratamentos e técnicas e, ao lado disso, dispenssem a eles um tratamento igualitário e certamente eles serão muito felizes.

Boa sorte e saúde a todos,

Abraço, Camila